Estive pensando sobre o ano de 2017 e…

…como eu vivi os seus dias, até hoje, faltando 15 dias para o seu término.

Havia me preparado para um ano muito difícil, não somente pela instabilidade política e a crise econômica que assolava o nosso país, mas também por estar finalizando o meu primeiro projeto de aposentada, o meu livro “Um olhar no retrovisor e outro na estrada”.

Sobre a instabilidade política, houve momentos em que cheguei a duvidar da resistência da nossa Democracia e suas instituições, dada a velocidade frenética e a intensidade da operação Lava-Jato, que gerava fatos novos diariamente e dentro de um mesmo dia, abalando o mundo político e descortinando a relação promíscua entre o público e o privado.
Mas nesse “departamento” eu não tinha muito o que fazer, a não ser esperar os desdobramentos, na esperança que o perigoso caminho da judicialização da política fosse corrigido, mantendo uma linha serena de investigação, indiciamento e punição dos corruptos e corruptores, que sem vergonha na cara dilapidavam os nossos impostos.

Já a economia estava nas mãos de uma equipe muito competente e, embora eu muitas vezes duvidasse da sua capacidade de descolar da crise política, isso acabou acontecendo, como um milagre, a ponto de chegarmos ao final deste ano com a taxa básica de juros em 7% e uma inflação abaixo dos 3,0%, depois de ter batido quase 11%, em janeiro de 2016.
Nesse campo, restou-me cuidar muito bem do meu orçamento, para planejar quanto gastar no mês, item a item, lançando mão de um aplicativo financeiro que me ajudava a ter uma boa relação com meu dinheiro, guardando para despesas futuras e tomando o cuidado para não me endividar.

Foi no meio desse “tiroteio” que finalizei a revisão do meu livro, contratei sua edição e impressão e o lancei em julho, em São Paulo, seguindo-se minha terra natal Campina Grande, depois Recife, Brasília, Rio de Janeiro e Fortaleza.

Um livro que conta a história de vida de uma jovem mulher nordestina que lutou pela restauração da democracia no Brasil dos anos 60 e 70 do século XX e de como ela aproveitou os momentos difíceis pelos quais passou, na prisão, na clandestinidade, no exílio e na reinserção na vida social do País, para se superar e se tornar uma pessoa melhor; e que também oferta ao leitor um panorama dos fatos históricos e culturais mais marcantes que fizeram o ambiente de vida dessa mulher, por um período de 50 anos.

Não por acaso essa mulher sou eu, que tomei coragem de abrir o meu coração e o baú das minhas memórias para ofertar ao mundo o meu aprendizado em forma de romance histórico.

Posso dizer que este ano foi maravilhoso pra mim porque pude navegar em meus projetos pessoais em meio a uma grande turbulência institucional. Teria sido mais simples, se eu não tivesse experimentado na carne e na alma o quanto custou a nossa Democracia.

A você, que fez parte dos momentos mais felizes da minha vida neste ano de 2017, atendendo ao meu convite de brindarmos juntos à minha conquista, no lançamento do meu livro e nas noites de autógrafos que se seguiram, desejo que também possa ver as coisas boas que extraiu deste ano de 2017 e que o Natal seja a oportunidade para refletir sobre o seu projeto de vida para o ano de 2018, que lhe permita ser feliz e crescer como pessoa.

Aos que não puderam juntar-se a nós nesses momentos, desejo o mesmo e convido-os a se fazerem presentes no lançamento do meu próximo livro.

Por fim, convido-os a visitaram o site do livro www.umolharnoretrovisor.com.br, para ler os depoimentos de leitores que somente me estimulam a continuar escrevendo e a adquirir o meu livro como presente de Natal, pois o seu amigo merece.

Saúde!!!

Os leitores estão gostando de viajar comigo!

O movimento provocado pelo meu livro “Um olhar no retrovisor e outro na estrada” tem sido surpreendente.
A cada depoimento de leitores de diferentes idades, dos 16 aos 98 anos, fica evidente que valeu a pena escrever as minhas memórias, que foram também as de uma geração inteira, que lutou pelo que há de mais caro para um ser humano, a liberdade.
Dá gosto de ver como os leitores estão gostando de viajar comigo nesse romance histórico! A grande maioria diz que leu em uma sentada só, em uma tarde chuvosa ou em uma madrugada de insônia, por ser ele instigante e cheio de surpresas, que despertam a curiosidade para o que vem depois.
Maravilhoso saber que leitores viraram contadores de história para os que não sabem ou não podem ler!
Bom ver que meu livro tem sido um instrumento de reencontros ou encontros com pessoas dos mais diferentes matizes culturais e ideológicos, e vem demonstrando que o leitor do século XXI tem sede por uma literatura que toque fundo na sua alma, que se identifique com o seu dia a dia de luta e lhe aponte uma luz no túnel neste momento histórico de grandes mudanças.
Venha prestigiar a obra de uma autora paraibana, que traz o leitor para dentro da sua história contada com leveza e fluidez, levando-o a experimentar fortes emoções e refletir sobre sua própria vida e o ambiente que o cerca.
Quer saber mais sobre o que dizem os leitores e ver fotos do lançamento em São Paulo e das noites de autógrafos em Campina Grande, Recife, Brasília e Rio de Janeiro?
Entre no site www.umolharnoretrovisor.com.br
Lá você que ainda não teve o privilégio de ler meu livro poderá adquiri-lo e receber em casa.

O que significa autografar meu livro em Fortaleza

Estou muito feliz! Farei uma noite de autógrafos do meu livro “Um olhar no retrovisor e outro na estrada” em FortalezaSerá na quinta-feira, 23 de novembro, das 18:00 às 21:30, na Livraria Cultura do Shopping Varanda Mall.

Fortaleza, a cidade que me acolheu na volta do exílio – junto com meu marido e dois filhos – e onde pude voltar a experimentar a dignidade de viver do trabalho honesto e oferecer o meu conhecimento para a melhoria da qualidade de vida dos fortalezenses; onde meus filhos, que então estavam com nove e três anos de idade, tiveram contato com seus primos e tios, com as belas praias de verdes mares, com a rica cultura gastronômica e com a delícia do nosso idioma Português. A mais velha havia saído do Brasil com um ano e meio; o mais novo tinha nascido na Alemanha.

Fortaleza, a terra natal de grandes nomes da literatura brasileira como José de Alencar e Raquel de Queiroz; e também do Dom Hélder Câmara, que se formou no Seminário da Prainha e foi um grande defensor dos Direitos Humanos, enquanto Arcebispo emérito da Arquidiocese de Olinda e Recife.

Mas também a terra que em 1982 concedeu o título mais que merecido de Cidadão de Fortaleza ao grande poeta popular Patativa do Assaré (Antônio Gonçalves da Silva), nascido em Assaré/CE; e em 1999 lhe auferiu os títulos de Doutor Honoris Causa das Universidades Estadual e Federal do Ceará, respectivamente.

Após lançar meu livro em São Paulo, onde moro, estive autografando o meu livro na minha terra natal Campina Grande e em outras cidades por onde passei e deixei amigos, como Recife, Brasília e Rio de Janeiro; é chegada a vez da “Loira Desposada do Sol”, como dizia o poeta e jornalista Francisco de Paula Ney.

Um Olhar no Retrovisor e Outro na Estrada – o que é e porque o escrevi

Este livro é o primeiro produto de meu projeto de aposentadoria, que inclui escrever e fotografar, duas paixões que trago comigo desde adolescente, mas que a vida se encarregou de deixar para depois. 

Já tenho um livro técnico publicado, “O novo e o velho na gestão da qualidade do transporte urbano”, Editora Edipro,1996, que foi resultado da minha tese de doutorado. Quando decidi parar de trabalhar, em 2014, optei por deixar assuntos técnicos com os profissionais que ficaram no mercado. 

Este agora é uma autobiografia.

Relutava em escrever mais um livro de perseguido político; não queria falar de mágoa, nem  de sofrimentos e tampouco nutria o desejo de me desculpar, pois não havia de quê.

Porém, acabei cedendo aos pedidos de familiares e amigos para compartilhar com outros a minha rica experiência de aproveitar momentos de crise para crescer, e percebi também que seria uma oportunidade de mostrar, sob a ótica de uma mulher, mãe, trabalhadora e dona de casa, a importância da Democracia.

Quando estive na feira do livro em Brasília, para prestigiar a minha amiga Luciane Shutte que havia recém-lançado seu primeiro livro, ela me confessou sobre a luta que estava travando para divulgar a sua obra. Aquilo me deu um arrepio quando pensei no que iria passar para divulgar o meu. Mas, continuei acreditando no meu livro e decidi investir em tempo, energia e dinheiro e saí pelo Brasil afora, promovendo noites de autógrafos.

Foi assim que, após lançar em São Paulo, e autografar em Campina Grande, Recife, Brasília e Rio de Janeiro, chegou a vez de Fortaleza, onde morei por quase sete anos e de onde parti, em 1986,  levando na mala bastante saudade.

Essa conquista é minha, sua e de todos os que têm coragem de olhar para o passado, sem culpas, e continuar acreditando no futuro, mantendo o pé no chão.

Os leitores estão gostando! Visite o site www.umolharnoretrovisor.com.br e veja os seus emocionantes depoimentos.