Neste dia Nacional do Escritor, homenagem às escritoras


Neste dia 25 de julho, Dia Nacional do Escritor, presto uma homenagem a mulheres escritoras, desde os idos da revolução francesa, com a primeira grande defensora dos direitos das mulheres, até 2017, ano que entrei para esse mundo mágico. Parabéns a todos os escritores brasileiros, em especial Claire Feliz Regina, Luciane Schutte, Ivan Carlos Regina, Josemir Camilo Melo, Bruno Gaudêncio e Ricardo Corrêa (Adriana Contin), meus amigos.

Hoje estou saindo por aí, “esquecendo” meu livro São Paulo afora…

1. Marie Gouze – França (1748-1793)

“Mulher, acorda; o rebate da razão se faz ouvir em todo o universo, toma conhecimento de teus direitos.”

2. Jane Austen – Inglaterra (1775-1817)

“Só ficarei livre desse segredo, quando ele tiver perdido todo o valor.”

3. Virginia Woolf – Inglaterra (1882-1941)

“Uma mulher deve ter dinheiro e um teto todo seu, se ela quiser escrever ficção.”

4. Cora Coralina – Brasil (1889 – 1985)

“Poetas e pintores/românticos, surrealistas, concretistas, cubistas/eu vos conclamo./Vinde todos cantar, rimar em versos,/bizarros, coloridos,/os becos da minha terra.”

5. Agatha Christie – Inglaterra (1890-1976)

“O impossível não pode ter acontecido. Consequentemente, o impossível é possível, a despeito das aparências.”

6. Cecília Meireles – Brasil (1901-1964)

“Liberdade, essa palavra /que o sonho humano alimenta/que não há ninguém que explique/e ninguém que não entenda.”

7. Rachel de Queiroz – Brasil (1910-2003)

“Na verdade, eu tinha medo da prudência dele João. Tem coisas que só gente meio maluca pode levar a cabo.”

8. Clarice Lispector – Brasil (1920-1977)

“Sentiu-se depois como se tivesse voltado às suas verdadeiras proporções, miúda, murcha, humilde. Serenamente vazia. Estava pronta.”

9. Claire Feliz Regina – Brasil (1928-…)

“Fiz uma poesia brincando/leram e gostaram/Fiz outras, disseram/que era lindo tudo o que eu escrevia/e eu acreditei.”

10. J. K. Rowling – Inglaterra (1965-…)

“Se você quer saber como uma pessoa é de verdade, preste atenção em como ela trata seus inferiores, e não seus iguais.”

11. Svetlana Aleksiévitch – Ucrânia (1948-…)

“Ensino que não se pode arrancar uma flor, sem motivo. Dá pena de esmagar uma joaninha, de arrancar a asinha de uma libélula. Como explicar a guerra a uma criança?”

12. Iêda Lima – Brasil (1948-…)

“…Nem agora, nem em 1968, nem em momento algum, se pode negar ao jovem o direito de sonhar, pois juventude e sonho são inseparáveis, e precisa ser assim, para continue havendo esperança em um mundo melhor…”

13. Maria de Fátima Siqueira – Brasil (1953 – …)

“Que fiquemos então protegidos da loucura completa por nossas palavras e que possamos ser apenas meio loucos para podermos fazer a diferença nesse mundo cheio de “normalidades” que nos assustam.”

Viva a literatura e a indignação!”

14. Luciane Shütte – Brasil (1962-…)

“Apenas sobreviventes entendem o valor da vida e das pequenas grandes coisas.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *